A importância da preservação da água

“Água, fluido universal. Dom da manifestação. Divina Providência.

Chama teus filhos para que possas revelar-lhes o divino amor.

Amor Crístico que alivia o sofrimento e traz equilíbrio aos quatro elementos”.

O planeta água

Dia 22 de março é o Dia Mundial da Água. Instituído pela Assembleia Geral da ONU em 1992, a iniciativa teve a finalidade de chamar a atenção para a importância da água na manutenção da vida na Terra.

A vida no planeta azul surgiu no meio hídrico e todos os organismos vivos dependem da água para sobreviver, desde os de constituição mais simples até os ecossistemas mais complexos. Ela está presente na seiva dos vegetais e compõe o plasma dos animais. É primordial para produção de alimentos e estratégica para o desenvolvimento econômico das nações.

Com a predestinação para criar e manter a vida, ela se doa generosa, flexível, adaptável e, sobretudo, abundante. Cerca de 70% da superfície da Terra é coberta por água.  Ocupa cada espaço do globo conforme os desígnios da Criação: forma oceanos e mares profundos para abrigar uma infinitude de espécies marinhas; acomoda-se em tranquilos lagos e lagoas que ornamentam paisagens; corre em rios caudalosos ou por estreitos riachos; desce rápida as cachoeiras; cristaliza-se imponente e eterna nas geleiras; precipita-se sobre a superfície da Terra em forma de chuva, de neve ou do orvalho das manhãs frias.

 

Existem águas salgadas, águas doces,  águas cristalinas, turvas, profundas,  ferruginosas,  minerais, destiladas, sulforosas, termais, espelhos d’água …  Uma miríade de formas, configurações, composições a serviço dos Reinos Humano, Animal e Vegetal.

A água purifica, equilibra, harmoniza, transmuta, previne e cura males físicos e emocionais. Quem nunca experimentou a sensação de renovação do corpo após um banho no final do dia cansativo de trabalho? Ou não se sentiu mais leve ao deixar as águas correntes de uma cachoeira levarem mágoas, tristezas, culpas ou medos? Quem não se eleva em consciência e não se perde de si mesmo ao contemplar o infinito do mar?

A água no Brasil

Considerando o cenário mundial, o Brasil é um país privilegiado em termos de recursos hídricos.  De toda a água doce existente no planeta, 12% estão localizados no solo brasileiro.

A Amazônia alberga a maior bacia fluvial e o Rio Amazonas, o maior de volume d’água no Planeta. Ambos desempenham papel preponderante no sagrado ciclo das águas: o contínuo trabalho que a água magnanimamente realiza, transformando-se do estado líquido ao gasoso ao subir aos céus para formar as nuvens e, retornando novamente ao estado líquido, precipita-se de volta à terra, abastecendo mares, rios, oceanos e lençóis freáticos. Essa incessante renovação é responsável pelo equilíbrio de toda a biosfera e representa 20% do volume total de água vertido aos mares do mundo.

A importância da preservação da água

Também importante para o suprimento de água e a estabilização do clima, o Pantanal estende-se por uma vasta área de 120.000km², que abrange parte dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, da Bolívia e do Paraguai.  O “reino das águas” é a maior área úmida continental do globo. Constitui-se em enorme reservatório de água doce formado por lagos rasos, áreas e depressões alagadas e uma grande quantidade de canais e rios que distribuem, abnegadamente, vida abundante por onde passam.

Por todo o território brasileiro é possível ver a expressão amorosa da Natureza transbordando água em milhares de quilômetros de rios navegáveis e banhando toda a costa leste pelo Oceano Atlântico.

 A relação da humanidade com a água

Recurso vital ofertado pela Natureza, a água foi erigida à categoria de direito fundamental do ser humano; no entanto, mais de 2 bilhões de indivíduos não têm acesso à água potável.

O abastecimento desigual está atrelado ao uso inadequado, à exploração inconsciente dos reservatórios subterrâneos, à poluição descontrolada de mares, rios, afluentes onde são despejados milhões de litros de esgoto, resíduos agrícolas e industriais sem o tratamento apropriado para evitar a morte por contaminação. Morrem mais pessoas por doenças contraídas em decorrência da água poluída do que nas guerras. Anualmente, 1,5 milhão de crianças de 0 a 5 anos padecem desse modo todos os anos.

A pureza, a beleza e a transparência características da água, sua força e magnetismo têm sido corrompidos pela humanidade, que não aprendeu ainda a relacionar-se adequadamente com a preciosa dádiva. Esse comportamento acarreta prejuízos inequívocos, além da dimensão material.

“Quando desperdiçamos água, quando a envenenamos ou quando a matamos com produtos químicos, nós não sabemos o que estamos fazendo. Um dos carmas mais graves para a humanidade é o carma produzido com o mal uso da água. É bom que se saiba disso. Os que podem acreditar nisso, os que podem conceber isso, devem mudar completamente a forma de tratar a água e de usar a água, porque o desrespeito e a indiferença da humanidade, das técnicas estão impressos na água que nós usamos.” Trigueirinho, Nós e o mistério da água.

 Respeito e gratidão pela água

A importância da preservação da água

Em que pese a humanidade não ter ainda conseguido apreender em profundidade a essência da água como elemento da Criação, respeito e gratidão por tudo o que ela aporta ao Planeta podem ser encontrados no modo como ela é cuidada.

Exemplo disso é a Comunidade-Luz Figueira, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Lá, onde cerca de 300 residentes fixos se distribuem por 5 fazendas, foi criado o Setor de Águas, com a finalidade de alcançar a autossustentabilidade de toda a cadeia de abastecimento e consumo.

A importância da preservação da água

Para isso, diz Hélcio Drago, Coordenador do Setor, há um planejamento que contempla as expansões na demanda e a capacidade de oferta de água e, a partir dele, são elaborados cuidadosamente, os projetos nas diversas áreas:

  • captação da água por meio de poços artesianos, nascentes, lagos, rios, chuva:
  • transporte da água através de bombas elétricas, gravidade, rodas d’água, bombeamento com energia solar;
  •  armazenamento em cisternas, reservatórios, lagos e infiltração no solo;
  • rede de distribuição por meio de tubulações e conexões até os pontos de consumo;
  • utilização para os diversos fins como irrigação, limpeza e usos residenciais;
  • disponibilização da água servida em estações de tratamento;
  • reuso da água cinza (águas de chuveiro,pias,lavanderias) para irrigação e outros fins.

Uma das políticas adotadas desde a crise no abastecimento de água em 2013 é o acompanhamento do consumo de água em todas as áreas, através do monitoramento dos hidrômetros instalados. Com esse simples monitoramento, é possível identificar de modo antecipado possíveis anomalias no sistema, como vazamentos de água, e tomar as medidas cabíveis de forma mais ágil.

Entre as principais preocupações do Setor está o armazenamento da maior quantidade de água de chuva no interior das propriedades por meio de bacias de contenção, lagos, reflorestamento, etc. Isso é importante para manter o nível do lençol freático na região, considerando a necessidade de preservação da vitalidade das nascentes, manutenção dos lagos e ribeirões responsáveis pelo acionamento das rodas d’água.

Vários projetos desenvolvidos pelo Setor de Águas foram estendidos a outras comunidades e filiadas como o Centro Mariano de Aurora, Paysandú, Uruguai; Centro Mariano do Espírito Santo, Córdoba, Argentina; Núcleo-Luz CrerSendo da Comunidade NovaTerra, Rio de Janeiro; Núcleos-Luz de São CarlosSão Paulo Brasília.

Sintetizando a postura de quem procura desenvolver com água uma relação de profundo respeito e gratidão, Hélcio ensina:

“Inicialmente devemos considerar que a água é um fluido universal proveniente de níveis superiores, desde a Fonte. Além disso, diz a lei: o que está embaixo é como o que está em cima.

A água guarda em si os códigos da pureza original, por isso seus diversos aspectos purificador, renovador, curador, redentor, liberador, etc.

Neste mundo, a água representa a pureza e a compaixão para todos os espíritos. Ela atua no equilíbrio planetário e é um veículo transmissor de energias.

O uso correto da água deve considerar estas colocações e ser baseado em princípios básicos como a gratidão por sua disponibilidade, seu uso somente para o necessário e evitar sua poluição.”

 

Também o Parque Francisco de Assis, em Lavras, MG, que abriga mais de 400 cães abandonados, dispensa à água cuidado especial.  Para o tratamento dos 7.000 litros de dejetos produzidos diariamente pelos cães, foi desenvolvido pela voluntária do canil e professora adjunta do Departamento de Engenharia da Universidade de Lavras, Camila Silva Franco, uma estação de tratamento de efluentes inédita e inovadora.

Em funcionamento desde 2012, o sistema já passou por diversas etapas, aprimorando a operação e a infraestrutura. O processo foi monitorado passo a passo e os resultados finais da avaliação indicaram melhoria da eficiência no tratamento da água e principalmente na remoção e redução de matéria orgânica e nutrientes lançados no Ribeirão do Camarão.

Mais do que um conjunto de técnicas, a estação de tratamento da água do Parque, única até agora para o esgoto de cães, materializa a superação da indiferença humana em relação àquela que serve incondicionalmente.  Na retirada dos elementos impuros, processos mais sutis acontecem; vai-se resgatando a dignidade da água, restaurando toda a agressividade que o homem nela imprimiu e que conspurcou sua essência original.

No Parque Francisco de Assis o homem promove, todos os dias, o milagre da reconciliação como os demais Reinos da Natureza e, na convivência harmoniosa e equilibrada entre eles, é justificada a Criação.

No dia mundial da água, Camila Franco deixa um alerta: “Precisamos tomar consciência da água nas roupas, alimentos e serviço que compramos e consumimos. Usamos a água para múltiplas finalidades e isso causa conflito. Aproveitando a experiência atual de pensar no coletivo, sugiro que esta energia seja estendida ao uso consciente da água e preservação da sua qualidade.”

A importância da preservação da água